BOSCARD: conheça essa ótima ferramenta de gestão de projetos

Quando um analista de negócios alcança os objetivos de um determinado projeto, não há mágica nem sorte envolvidos nisso, acredite. Pesquisas mostram que o sucesso alcançado em um projeto depende principalmente da forma como o mesmo é iniciado.

Mas o que significa BOSCARD?

Para se chegar ao êxito de um projeto, há sete pontos que devem ser analisados antes de partirmos para a parte da execução: o porquê do projeto estar sendo criado, os objetivos, a abrangência, as restrições, premissas, riscos e o que deverá ser entregue para que o projeto alcance o seu propósito.

Essas sete áreas citadas formam o acrônimo BOSCARD (background – fundamento, objectives – objetivos, scope – escopo, constraints – restrições, assumptions – premissas, risks – riscos, e deliverables – entregas).

Acredita-se que o termo tenha sido criado pela empresa de consultoria francesa Capgemini, que o teria usado pela primeira vez na década de 1980. Em resumo, BOSCARD é uma ferramenta de planejamento estratégico que destina-se a dar termos de referência a novos projetos. É como se fosse um checklist, sendo frequentemente utilizado na criação de um quadro de gerenciamento de projetos.

Então, vamos entender mais sobre cada um dos eixos do BOSCARD?

1. Background (Fundamento)

Nessa etapa do planejamento do projeto, tente responder às seguintes perguntas: Quais são os motivos para a criação desse projeto? Quais os principais interessados que se beneficiarão do resultado do projeto? Quais as oportunidades de mudança em que o projeto se baseia?

Explique o que levou à necessidade do projeto. É importante ter essa informação para manter-se concentrado nas razões pelas quais o projeto está sendo realizado.

2. Objectives (Objetivos)

Sem objetivos, os marcos e as tarefas não têm significado. É necessário haver objetivos claramente definidos, que devem estabelecer o que o projeto pretende alcançar. Conforme ensina o framework SMART, os objetivos devem ser:

S: Specific (Específicos)
M: Measurable (Mensuráveis)
A: Achievable (Alcançáveis)
R: Realistic (Realistas)
T: Timebound (Realizáveis em determinado período de tempo – não há como serem buscados eternamente)

3. Scope (Escopo)

Forneça uma descrição dos recursos e funções que caracterizam o produto, o serviço ou o resultado que o projeto deve oferecer. Por exemplo, quais áreas de negócios estão incluídas e impactadas? Quais tarefas estão incluídas? Existe algum item a mais que é necessário incluir?

Esta etapa inclui detalhes das funções comerciais afetadas e quaisquer áreas-chave que não serão consideradas dentro deste projeto. O escopo estabelece exatamente os limites que não devem ser ultrapassados.

4. Constraints (Restrições)

As restrições são aqueles pormenores que podem causar atrasos. Identifique-as e considere como limitam ou impõem condições ao projeto. Concentre-se especialmente nas restrições que afetem o escopo do projeto.

O orçamento é muitas vezes uma restrição, juntamente com o tempo e os recursos, mas tendem a haver restrições mais complexas a ser consideradas também, como normas reguladoras e legais.

5. Assumptions (Premissas)

Muitas vezes é necessário criar premissas ao se entrar em um projeto. As premissas existem quando faltam informações incompletas e, à medida que o projeto progride, esta lacuna de falta de dados vai desaparecendo e as novas informações coletadas podem então se tornar parte do escopo ou virem a tornar-se restrições. Uma dica importante para remover restrições e pressupostos é sempre trabalhar ativamente.

6. Risks (Riscos)

A maioria dos projetos terá algum nível de risco. Neste ponto do planejamento, você deve descrever riscos potenciais que possam afetar o progresso do projeto. Também é importante considerar o significado de cada um desses riscos e pensar sobre estratégias para reduzir ou eliminar seus efeitos. É indispensável dar uma avaliação da probabilidade e impacto dos riscos nesta etapa, para ajudar as partes interessadas a avaliar a gravidade relativa de cada um deles.

7. Deliverables (Entregas)

Revise os objetivos e considere quais produtos devem ser produzidos para atendê-los. Faça uma breve descrição de cada um, juntamente com a forma como a qualidade do fornecimento será medido e como ele será aceito ou cancelado. É importante certificar-se de que esses produtos sejam acessíveis.

Bom, então esse é o formato de um planejamento de projeto nos moldes BOSCARD. E lembre-se: por mais que desenvolver um plano como esse possa exigir de você muitas horas de considerações, isso pode ser exatamente o que a sua empresa precisa para alcançar o sucesso do seu projeto.

Quer receber as últimas novidades sobre atendimento? Então inscreva-se na newsletter no canto superior direito desta página.



Ainda não conhece o Acelerato? Não perca tempo, acesse agora e cadastre-se gratuitamente clicando aqui