Muitas vezes percorremos essa trilha adicionando muitas funcionalidades em nossos produtos, o que pode acabar sendo ineficiente e tornando o produto complexo e difícil de se aprender, .

No livro Lean Analytics, os autores sugerem 7 Perguntas para você fazer antes de desenvolver algo novo no seu produto, eu citarei 4 das que considero mais importantes, e acrescentarei meu ponto de vista sobre cada uma delas.

Se o seu produto necessita de usuários engajados para ter sucesso, pergunte-se:

1. Por que essa funcionalidade fará as coisas melhorarem?

Você só deve incluir uma funcionalidade em um sistema se tiver uma boa razão.

Se o seu objetivo agora, por exemplo, é aumentar a retenção de seus usuários, preocupe-se em desenvolver apenas funcionalidades que de alguma forma contribuirão para que você faça a retenção aumentar.

Se você realmente acredita que essa funcionalidade trará benefícios, crie sua hipótese, algo do tipo:

Acreditamos que a [funcionalidade X] vai aumentar a retenção [objetivo] em Z% [meta].

2. Há como medir os resultados?

Depois desenvolver sua hipótese o próximo passo essencial é que você meça se realmente sua hipótese era verdadeira.

Não cometa o erro, de entregar uma funcionalidade e partir loucamente para a próxima porque você perderá a oportunidade de aprender com o que acabou de fazer para tomar decisões melhores no futuro.

3. Essa funcionalidade vai super-complicar as coisas?

A complexidade é um dos principais fatores para a exterminação de produtos. Hoje mais do que nunca as pessoas são impacientes e não querem perder tempo para utilizar um sistema complicado e pouco intuitivo.

Outro fator importante a ser considerado é que funcionalidades complexas tem uma tendência grande aumentar o custo de manutenção do produto.

4. O que os usuários querem?

Escolher quais funcionalidades implementar ou não implementar em um software está longe de ser uma tarefa trivial.

Nem sempre perguntar aos usuários o que eles querem é a melhor abordagem, mas nem por isso você deve deixar de perguntar.

Mesmo que você esteja desenvolvendo exatamente aquilo que seus usuários disseram que é essencial para eles, considere que isso ainda é uma hipótese, e defina o resultado da funcionalidade.

Ao longo da minha carreira, muitas vezes, já desenvolvi funcionalidades que usuários consideravam urgentes e essenciais, mas que no fim das contas, nunca ou poucas vezes foram usadas.

Conclusão

É importante que você torne suas hipóteses explicitas e claras tanto você mesmo quanto para sua equipe, e lembre-se sempre que você trabalha com hipóteses e não com certezas.

Trabalhe em equipe, escolha os melhores experimentos que podem ser feitos, e esteja preparado para falhar algumas vezes, e quanto falhar, assuma a responsabilidade com seu time, e procure evitar encontrar culpados ou dar desculpas.

Em se tratando de uma nova oferta para o mercado, especialmente no mundo das startups, temos poucas certezas e por isso precisamos experimentar coisas. Por isso, aprenda com suas falhas e passe para o próximo experimento.

Um experimento não será completo se você deixar de medir para tirar conclusões sobre os resultados, por isso meça.

Considere utilizar o Acelerato para organizar seu backlog (lista de funcionalidades), priorizar o que fazer primeiro e definir suas hipóteses.

Boa Sorte!

Gostou?
Tem alguma dúvida, sugestão ou critica? Por favor deixe seu comentário no final da página.

Até a próxima!

Este post foi escrito primeiro em: blog.andrefaria.com
——————————————————————————————-

 



Ainda não conhece o Acelerato? Não perca tempo, acesse agora e agende uma demonstração com um de nossos especialistas clicando aqui